Ser uma empresa B

AMATA está no time de empresas do Sistema B, certificação global que reconhece negócios comprometidos em unir lucro e responsabilidade socioambiental

Por AMATA AMATA 17/07/2017

Fazer parte do Sistema B nos enche de orgulho e, mais do que isso, esperança. O pioneirismo está em nosso DNA, e conseguir integrar, após um longo processo,  esta rede de empresas que compartilha da missão de tornar o mundo um lugar melhor através de seus negócios serve para reforçar a importância de um lembrete que aqui na AMATA é diário: a perseverança é fundamental para alcançar a mudança que queremos.

Como uma empresa florestal que tem o compromisso de manter as florestas nativas de pé e oferecer alternativas tangíveis para a madeira ilegal do Brasil, perseveramos ao enfrentar um mercado que ainda não reconhece o valor comercial de nossos recursos para além da ótica predatória. Perceber que nossa atuação faz a diferença – nas comunidades locais, na natureza, no mundo – é a maior recompensa, mas sermos reconhecidos por um movimento global como o Sistema B "só mostra que nossa causa segue relevante e urgente”, como disse Dario Guarita Neto, nosso sócio-fundador e CEO, ao recebermos o selo.

Criado em 2006 – um ano antes da fundação da AMATA – pela organização sem fins lucrativos norte-americana B Lab, e presente há quatro anos no Brasil, o Sistema B tem como objetivo estimular empresas ao redor do mundo a fazerem parte de um movimento de mudança. O princípio fundamental desta missão é a noção de uma nova economia global, composta por corporações que geram benefícios a todas as partes envolvidas em seus processos, e não apenas a seus acionistas.

 

A certificação é pra lá de criteriosa. Para obter o selo B, a empresa deve ter uma clara missão socioambiental, responsabilidade validada juridicamente a respeito dos interesses de seus trabalhadores, da comunidade e do meio ambiente, e apresentar periodicamente relatórios que medem o impacto social e ambiental de sua atuação, entre outros documentos, que, necessariamente, devem estar disponíveis para consulta pública.

O mundo que desejamos construir a partir de nosso trabalho é aquele em que todas as empresas sejam B certificadas, de forma que esse tipo de distinção não se faça mais necessária.